Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2008

Muito teve de ser feito para que pessoas, públicas ou não, não temessem assumir abertamente sua homossexualidade. Na Alemanha, o cineasta Rosa von Praunheim, principal ativista do movimento de libertação homossexual alemão é um dos principais responsáveis pela atual liberdade.

rosa von praunheim

Rosa von Praunheim, cujo verdadeiro nome é Holger Bernhard Bruno Mischwitzky, nasceu em 25 de novembro de 1942, em Riga, Letônia, durante a ocupação alemã. Seu nome artístico advém do ‘triângulo rosa’ dos homossexuais nos campos de concentração nazistas, e de Praunheim, bairro de Frankfurt onde cresceu. Após abandonar o curso de pintura da Escola Superior das Artes, em Berlim, Von Praunheim iniciou sua carreira de cineasta, no final dos anos de 1960.

Em 40 anos de atividades, Von Praunheim dirigiu, entre documentários e filmes de ficção, cerca de 70 produções. Ele mesmo se considera ‘um dos cineastas gays mais produtivos do planeta’. Como ativista, o diretor provocou escândalo ao lançar seu semi-documentário ‘Nicht der Homosexuelle ist pervers, sondern die Situation in der er lebt’ (Não é o homossexual que é perverso, mas a situação em que ele vive).

Rosa von Praunheim sempre foi um provocador. ‘Saiam dos banheiros, vão para as ruas’ era a mensagem do filme que acusava os gays de passividade política numa sociedade homofóbica, de se contentar com a triste vida de bares proibidos e sexo às escondidas em banheiros públicos. O filme foi lançado no Festival Internacional de Cinema de Berlim, em 1971. Durante sua transmissão pela TV pública ARD, em 1973, a televisão da Baviera saiu do ar. Von Praunheim não atacava apenas a sociedade alemã, que no ano anterior anulara o parágrafo do Código Civil de 1872 que proibia relações sexuais entre o mesmo sexo. O principal alvo do diretor eram os próprios homossexuais.

Depois do filme de Von Praunheim que afirmava que ‘gays não querem ser gays, mas querem ter uma vida pequeno-burguesa e viver como cidadãos medianos, e que sua passividade política é agradecimento ao fato de não serem mortos’, cerca de 50 grupos ativistas gays foram criados no país.

rosa von praunheimDurante os anos de 1980 e 1990, Von Praunheim dedicou-se ao combate à discriminação dos portadores de aids. Em 1991, no auge da crise da doença, o cineasta provocou o furor de vários homossexuais por ter declarado, em programa da rede privada de televisão RTL, que dois dos principais apresentadores da televisão alemã, Alfred Biolek e Hape Kerkeling, eram gays e tinham a obrigação de se engajar na conscientização sobre a doença. O argumento de Von Praunheim para o outing de personalidades gays foi: ‘Ser gay e lésbica não será uma questão de cunho privado enquanto formos expulsos, devido à nossa homossexualidade, de nossos empregos e moradias’.

Von Praunheim se dedicou desde cedo à difusão do sexo seguro, chamando até mesmo seus opositores de ‘assassinos’ e angariando vários inimigos na cena homossexual, cujo estilo de vida combatia – um paradoxo, já que o próprio Von Praunheim se considera ‘promíscuo’, apesar de viver com seu companheiro Mike Shepard já há 30 anos.

Oscilando entre o kitsch e o político, o trabalho cinematográfico de Von Praunheim trata de gays, divas, mulheres fortes, homossexuais corajosos, transexuais, estrelas pornôs e temas como radicalismo de direita e luta contra a aids. Seus documentários são seus pontos fortes. Seus filmes de baixo orçamento convencem e suas provocações recebem os mais diversos elogios. ‘Certo, útil e necessário’, afirma, por exemplo, o diário ‘Frankfurter Allgemeine Zeitung’.

rosa von praunheimO provocador Von Praunheim não lutou somente pela liberdade sexual entre gays e lésbicas, mas por seu engajamento político e por sua solidariedade como cidadãos. ‘Lutamos por algo mais que 700 bares de sexo’, afirma um americano no filme ‘Armee der Liebenden oder Aufstand der Perversen’ (Exército dos Amantes ou a Revolta dos Perversos) (1979), sobre os movimentos de libertação nos EUA. O amor livre se impôs, a solidariedade não, reclama o diretor. ‘Ich bin meine eigene Frau’ (Eu sou minha própria mulher) (1992), é sobre a vida do travesti da antiga Alemanha Oriental Charlotte von Mahlsdorf. (sobre ela postei aqui)

Em ‘Schwein gehabt – Joe Luga’ (Joe Luga teve sorte), Von Praunheim conta a história do cantor Joe Luga, que fazia shows travestido de mulher para os soldados alemães da frente russa. Somente após a guerra, nos anos de 1950 e 1960, sua homossexualidade o levou às prisões da antiga Alemanha Ocidental. Mas é no longo documentário ‘Männer, Helden, Schwule Nazis’ (Homens, heróis, gays nazistas), disponível desde o ano passado em DVD, que o diretor aborda a paradoxal relação entre a homossexualidade e as idéias do radicalismo de direita, cuja estética está cada vez mais presente na cena gay atual.

Somente em 2000 sua mãe confessou, aos 94 anos, que o diretor era adotado. Ela viveu, com o filho, os seus dez últimos anos de vida, até morrer em 2003. Após longas pesquisas, Von Praunheim descobriu que nasceu na Prisão Central de Riga e que sua mãe biológica faleceu num hospital psiquiátrico em 1946. (por: carlos albuquerque)




publicado por star às 08:58 | link do post | comentar

5 comentários:
De Fabíola a 22 de Dezembro de 2008 às 09:43
Nossa,adorei a história dele.
É tão bom ver e saber de pessoas que não vieram ao mundo a passeio...
Beijos e tudo de bom!


De L.Gris a 23 de Dezembro de 2008 às 23:22
Obrigada pela força, não pretendo parar de escrever, é preciso.
Ao meu ver és uma militante real, porém dentro de outra, da sua realidade. Faz o que pode e o que fazes é uma tarefa muito importante, afinal o mundo virtual é um novo espaço de integração.
... Falando de armário uma coisa me preocupa: p'ra onde vão as pessoas q sairem dos armários? para os guetos (ditos lugares gls), para as praças p'ra serem apedrejados? p'ra ONDE? ... Penso que a militância seria a melhor direção, pois integra, instrui, fortalece o discurso a cerca da cidadania... é um escudo!
Querida, continue com seu blog, adoro-o. Sempre estou visitando. E, que ele seja uma arma, um escudo.

Saudações anti-homofóbicas.

PS.: Ah, senti-me abraçada... abraços apertados!

L.Gris.


De Gospel a 24 de Dezembro de 2008 às 16:40
Mara, passando aqui para te parabenizar pelo novo layout do Fazendo Estrelas, ficou muito bonito, mas vc é fera nessas coisas mesmo! Parabéns...

E desejar a vc um Feliz Natal (bem, sei que vc é atéia, mas vale a intenção!)

E um 2009 cheio de realizações pessoais e muita saúde e paz. São meus votos a vc, a quem aprendi a admirar e tê-la como uma amiga, virtual, mas amiga!

bjos

Renato


De Victor S. Gomez a 25 de Dezembro de 2008 às 01:17
Feliz Natal para você e para o melhor blog que conheço. Abraços


De mara* a 25 de Dezembro de 2008 às 09:58
Fabíola, tudo de bom para você também, cuide-se.

Gris, não pare não! Continue escrevendo e militando. Infelizmente, as poucas organizações que conheço transformaram-se em apenas clubes de luluzinhas. Militância que é bom...

Renato, obrigada pelos elogios, você é um grande amigo. Valeu a intenção sim! De desejar-me um feliz Natal, apesar de eu ser atéia. Jesus Cristo é um homem da História, tanto que ele a dividiu em antes e depois dele. É inegável a importância das suas mensagens, apesar de sua vida como homem ter sido envolta em tantos mistérios e o primeiro relato, mais abrangente, sobre a sua vida aparecer nos escritos de Marcos somente depois de 40 anos da sua morte. Infelizmente o aniversariante foi ofuscado por um velhinho de barbas brancas, vestido com roupas vermelhas, voando pelo espaço, e transformado no símbolo da festa e atração principal no aniversário que nem sequer é dele. A data, para a maioria, é somente um período de festas e uma exaustiva ida aos shoppings para as compras de presente. Poucos se lembram da atração principal, o aniversariante, e das suas mensagens e ensinamentos.

Victor querido, feliz data para você também e obrigada. Você que é o melhor! Nobre, nas causas que defende, um verdadeiro militante e defensor da mãe Gaia.


Comentar post

19 de agosto

posts recentes

prince: ícone gay no pass...

recuperado está

o que é: homofobia interi...

j. edgar hoover e clyde t...

trevor project e daniel r...

arquivos

Agosto 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

* cronologia do movimento gay

* retrospectiva 2007

* retrospectiva 2008

a homossexualidade no decorrer da histór

citando

colírio

definindo

depoimentos

direitos e leis

divulgando datas

divulgando eventos

divulgando organizações e ongs

ela e ela

fatos e fotos

feministas

filme e pipoca

homossexuais célebres

livro e abajur

música e sexualidade

musicando estrelas

o que é

poetando

quadrinhos e revistas gays

sombra e luz

sussurros...

vídeos e comerciais

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds