Segunda-feira, 23 de Julho de 2007
Autor: João Ximenes Braga
Editora: Sete Letras

O exercício de futurologia em ficção serve, no mais das vezes, para colocar em evidência os problemas do presente. É isso que torna tão fascinante a leitura de "Juízo". A história de "Juízo" revela, com exageros bem colocados, o desconforto que cabeças pensantes vivem hoje, quando prolifera a estupidez dos pregadores religiosos e dos veículos da comunicação de massa. Xavier, o protagonista do livro, é um sujeito esquisito, cheio de manias e pudores, com muitos problemas de relacionamentos pessoais. Ele vive em 2011, na cidade do Rio de Janeiro. Sua inadequação para esse mundo se torna pior quando o representante de uma seita pentecostal é eleito presidente da República (alguém duvida que isso possa realmente acontecer?). Em um blog que ninguém acessa, ele registra como perdeu o emprego, a namorada, os amigos e ganhou um sósia. E também como mergulhou na corrupção, degradação moral, na vileza do governo pentecostal. Com o passar do tempo, alguns internautas passam a acessar seu site - momento em que a história dá uma guinada. O autor diz que, na parte final, o livro vira "gay" e é verdade. Na orelha, Edmundo Barreiros comenta: "Políticos que reduzem a mulher a mera coadjuvante do homem, condenam a homossexualidade como doença e sonham restringir a livre circulação das pessoas, estão em cargos cada vez mais altos. Imagine, então, o dia em que um fundamentalista religioso chegar à presidência? Realidade assustadora, não? Mas pesquisas de opinião mostram que, hoje, esse não é um temor injustificado". Apesar da temática forte, "Juízo" é um livro que flui de maneira muito agradável. O autor é irônico, sarcástico e cáustico. Transforma em piada as situações mais bizarras do cotidiano. O livro tem uma estrutura de romance epistolar e é, de verdade, o trabalho de alguém habituado aos clássicos. Há toques de "120 Dias de Sodoma", do Marquês de Sade, de "William Wilson", de Poe, e até de "Memórias Póstumas de Brás Cubas", de Machado de Assis.

(sinopse de Ferdinando Martins)

Sobre o autor

O autor João Ximenes Braga é carioca e jornalista. Morou durante quatro anos em Nova York como correspondente de 'O Globo', para onde escrevia uma coluna semanal de crônicas sobre a cidade. De volta ao Brasil, continuou como colunista do jornal, escrevendo sobre cultura e comportamento.


publicado por star às 07:31 | link do post | comentar

19 de agosto

posts recentes

prince: ícone gay no pass...

recuperado está

o que é: homofobia interi...

j. edgar hoover e clyde t...

trevor project e daniel r...

arquivos

Agosto 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

* cronologia do movimento gay

* retrospectiva 2007

* retrospectiva 2008

a homossexualidade no decorrer da histór

citando

colírio

definindo

depoimentos

direitos e leis

divulgando datas

divulgando eventos

divulgando organizações e ongs

ela e ela

fatos e fotos

feministas

filme e pipoca

homossexuais célebres

livro e abajur

música e sexualidade

musicando estrelas

o que é

poetando

quadrinhos e revistas gays

sombra e luz

sussurros...

vídeos e comerciais

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds