Segunda-feira, 20 de Outubro de 2008


sistema
Sentada numa cadeira onde estive sentada por dezenas de vezes, esperei o promotor entrar na sala de audiência. Sete anos aguardando pela Justiça, a Justiça tarda, mas não falha, não é o que dizem?
Talvez o juiz adie de novo - o promotor falou-me ao ouvido -, mas não desanime, hoje justiça será feita - e quando fui chamada para testemunhar, ele ainda cochichou: não complique, seja apenas sincera.
O advogado de defesa aproximou-se e falou-me com desdém: descreva o que aconteceu naquela noite.
- Fui estuprada.
- Detalhes, por favor.
- Prefiro não — respondi secamente.
- E por que não?
- Porque me é penoso...Difícil de lembrar.
- Difícil de lembrar?! Ele virou-se em direção ao juiz: excelência, esta mulher tem problemas de memória. Não é uma testemunha confiável. Peço que as acusações sejam retiradas e o processo arquivado.
- Não! - gritei - eu quis dizer que me é penoso de...
- Nada mais a perguntar! - falou o advogado - estou satisfeito.
- Mas...
- Retire-se - disse o juiz.
Voltei à minha cadeira de novo, lábios cerrados, rezando para que as lágrimas surgissem no meu rosto, mas os sete anos de espera me secaram, não os sete anos de constantes adiamentos e sim, sete anos tentando não esquecer, reviver tudo, o rosto cruel, as mãos calejadas, o cheiro do suor...
No saguão, o promotor aproximou-se com ar compungido: desculpe-me, mas você sabe como é.
- Como é o quê?
- O rapaz é de boa família, houve acordo e...
Agarrei minha bolsa, apertei-a junto ao peito como se quisesse esmagá-la. Como se fosse ela a culpada. (por dominique lotte)

preconceito
Quando Aída Curi foi currada,
estuprada,
violada,
morta por três homens,
ouvi gente puritana
dizer ainda: — "Bem feito!
Quem mandou ser leviana?"
(por leila míccollis)

aída curironaldo castro

Aída Curi, de 18 anos, recém saída de um colégio foi violentada e jogada de um prédio na Avenida Atlântica (Copacabana) em 1958, pelo porteiro Antônio João, por Ronaldo de Souza Castro e pelo menor Cássio Murilo. O homicídio teve repercussão nacional numa época em que muito se falava da juventude transviada de Copacabana, formada por jovens de classe média, poucos estudavam e nenhum deles trabalhava. Aída Cúri morreu duas vezes. A primeira quando os monstros a atiraram do alto do edifício e segunda quando o júri espezinhou a sua memória, absolvendo um criminoso da laia de Ronaldo Guilherme de Souza Castro. Na hora em que o Juiz pronunciou a sentença absolutória rapazes e moças bateram palmas, viram em Ronaldo o seu ídolo e o seu patrono. Em São Paulo, durante um baile, meninas e rapazes gritaram 'Ronaldo! Ronaldo!', no instante em que lá chegou a notícia de que o matador de Aída conseguira escapar às garras curtas da Justiça. (fonte:O Cruzeiro)


tags:

publicado por star às 00:12 | link do post | comentar

19 de agosto

posts recentes

prince: ícone gay no pass...

recuperado está

o que é: homofobia interi...

j. edgar hoover e clyde t...

trevor project e daniel r...

arquivos

Agosto 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

* cronologia do movimento gay

* retrospectiva 2007

* retrospectiva 2008

a homossexualidade no decorrer da histór

citando

colírio

definindo

depoimentos

direitos e leis

divulgando datas

divulgando eventos

divulgando organizações e ongs

ela e ela

fatos e fotos

feministas

filme e pipoca

homossexuais célebres

livro e abajur

música e sexualidade

musicando estrelas

o que é

poetando

quadrinhos e revistas gays

sombra e luz

sussurros...

vídeos e comerciais

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds