Terça-feira, 4 de Agosto de 2009
Lisa Du Preez

Conhecida na Inglaterra por estampar anúncios de sites de namoro, flyers de boate e ter trabalhado mais de dez anos como modelo de lingeries, Lisa Du Preez resolveu revelar o seu maior segredo: a sua transexualidade. Assim que descobriu que era diferente dos outros meninos, Lisa ficou fascinada por um estojo de maquiagem que sua irmã ganhou de presente de Natal. Logo depois, começou a ir a boates gays e resolveu começar uma terapia com hormônios femininos e se travestiu pela primeira vez aos 22 anos. Lisa, hoje com 35 anos e vivendo em Middlesex (Inglaterra) enganou até o noivo com quem se casará em breve. No inicio do namoro, quando ainda não tinha tido relação sexual, o noivo achava que Lisa era uma mulher, quando descobriu ficou assustado, mas depois aceitou. Em 1999 Lisa finalmente decidiu fazer a cirurgia de readequação sexual.

James WhartonNa Guarda de Coldstream, onde a testosterona costuma ditar o comportamento de dezenas de soldados britânicos, o então tenente Mark Wakeling era conhecido como brutamontes. Entre seus colegas, o rapaz sempre se orgulhava de ser o mais durão, aquele com a melhor forma física, e, obviamente, o mais agressivo. O militar ria de piadas homofóbicas e dizia que era o mais hétero dos heterossexuais. Porém, há 10 anos, Wakeling assumiu sua homossexualidade. Este mês, pela primeira vez, a capa da ‘Soldier’, revista oficial do exército britânico, mostra o soldado gay e fardado James Wharton sob o título ‘Orgulho’. A edição mostra que uma década após as Forças Armadas suspenderem a proibição de homossexuais na caserna, o Exército finalmente se sente à vontade com o novo perfil de seus componentes.

Militares britânicos hoje marcham em Paradas Gays em seus uniformes e há poucos meses o chefe do Exército, general Richard Dannatt, discursou em um congresso da comunidade GLBT. Para Mark Wakeling, que interrompeu a sua carreira militar devido à orientação sexual, a notícia da capa com o soldado James Wharton pode abrir novos caminhos. Para ele, que se arrependeu por ter desistido e por isso, não ter atingido as suas ambições no exército e ter uma carreira bem sucedida, é fantástico os militares serem eles mesmos. A mudança que permitiu o serviço de homossexuais no Exército britânico ocorreu em 2000, após dois anos de batalha na justiça envolvendo três gays e uma lésbica, dispensados da Marinha Real e da Força Aérea Britânica (RAF), após serem descobertos como homossexuais.

Victor ArgelaguetVictor Argelaguet é presidente e um dos fundadores da ‘Gaylespol’ (Associação de Policiais Gays e Lésbicas) fundada há três anos em Barcelona, na Espanha com o propósito de combater a discriminação no ambiente policial. No ano passado, a ‘Gaylespol’ participou da ‘4ª Conferência Européia de Policiais Gays e Lésbicas’, para discutir a homofobia e a violência praticada por membros da polícia contra homossexuais. O fato de policiais gays se reunirem em associações é uma realidade em lugares como Espanha, Inglaterra e Itália.

A idéia da associação, surgiu quando Victor Argelaguet, que também é membro da ‘Guarda Urbana’, morou na Holanda e constatou através de contatos com a associação de policiais deste país, a importância da visibilidade para mudar determinados preconceitos e atitudes discriminatórias, partindo do princípio que a missão da polícia é garantir os direitos e liberdades, e lutar contra a homofobia faz parte de seu trabalho. Na Espanha, cometer um delito com motivação de discriminar um gay ou uma lésbica é delito grave, assim como negar um serviço ou um emprego público por homofobia. E os discursos que incitam o ódio ou violência contra um grupo de pessoas também são considerados crimes.

ILGANum total de 25 países e 5 territórios da Europa proíbem a discriminação com base na orientação sexual. Os dados são de uma pesquisa conduzida pela ILGA (Associação Internacional Gay, Lésbica, Bissexual, Trans e Intersex) que investigou 50 lugares. Apenas 2 países, Portugal e Suécia, incluem essa proibição expressa na constituição. Em 20 países os homossexuais podem unir-se legalmente. O matrimônio com adoção é permitido em 5 países (Suécia, Bélgica, Holanda, Espanha e Noruega). Leis que beneficiam os casais do mesmo sexo são comuns em 12 nações, entre elas, o Reino Unido, a França, Alemanha e Dinamarca. (fontes: JBOnline e OGlobo)



publicado por star às 17:08 | link do post | comentar

2 comentários:
De ɐlıɯɐɔ a 5 de Agosto de 2009 às 16:27
linda a modelo.;

*** adoro td tipo de frescurinha q me deixe MAIS sexy. e me faça bem, e é clero sustentem meus tb seios fartos..


De Fabí a 6 de Agosto de 2009 às 09:26
Seria bom se essa evolução chegasse logo aqui...


Comentar post

19 de agosto

posts recentes

prince: ícone gay no pass...

recuperado está

o que é: homofobia interi...

j. edgar hoover e clyde t...

trevor project e daniel r...

arquivos

Agosto 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

* cronologia do movimento gay

* retrospectiva 2007

* retrospectiva 2008

a homossexualidade no decorrer da histór

citando

colírio

definindo

depoimentos

direitos e leis

divulgando datas

divulgando eventos

divulgando organizações e ongs

ela e ela

fatos e fotos

feministas

filme e pipoca

homossexuais célebres

livro e abajur

música e sexualidade

musicando estrelas

o que é

poetando

quadrinhos e revistas gays

sombra e luz

sussurros...

vídeos e comerciais

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds