Sábado, 23 de Maio de 2009
título no Brasil: 'o edifício yacoubian'
gênero: drama
origem: egito
ano de lançamento: 2006
direção: marwan hamed
roteiro: wahid hamid, baseado em livro de alaa' al-aswany
elenco: adel imam, nour el-sherif, hend sabri, khaled el sawy, bassem samra

O Edifício Yacoubian - filme

Alaa' Al-Aswany, dentista do Cairo, Egito, um dia teve um consultório no Edifício Yacoubian. O que viu, as pessoas com quem conviveu, e a sua imaginação, originaram aquele que veio a se tornar o livro mais vendido em língua árabe. Publicado em 2002, o livro transformou-se em filme. A sociedade árabe, mais especificamente a egípcia, foi retratada em suas faces mais obscuras pelo diretor egípcio Marwan Hamed, na época com 29 anos.

Na cultura egípcia não existe a amizade entre homem e mulher, o homem tem mãe, irmã, filha, mas não tem amigas. Casais não andam de mãos dadas nas ruas, seria afeto demais. Mas, homens andam de braços dados e são carinhosos com seus amigos. A figura feminina, principalmente a da mãe, é importantíssima e respeitada, mas é também onde uma mulher que se atreve a caminhar na rua sem usar o hijab, o tradicional véu, corre o risco de levar pedradas na cabeça.

Edifício Yacoubian, no CairoO Yacoubian é um dos prédios mais antigos e interessantes do Cairo, e é ele que o diretor usa para tratar de temas tabus em seu país, como sexo, drogas, homossexualidade, tortura e aborto. O filme bateu recordes de público e causou a ira dos políticos, que quiseram censurar as cenas em que um respeitado jornalista se relaciona com um soldado. No prólogo, é contada a história do prédio, construído em 1934 por Hagop Yacoubian, um rico negociante armênio, e que abrigou as famílias abastadas e depois, no tempo de Nasser, muitos militares.

É nesse ambiente que circulam personagens interessantes: o idoso engenheiro Zaki El Dessouki (Adel Imam) um playboy decadente que divide o apartamento com uma irmã que é uma víbora e parece ansiosa em se livrar dele. Hajj Muhammad Azzam (Nour El-Sherif), engraxate na juventude que transformou-se em poderoso homem de negócios, que sob a capa de uma religiosidade impecável alcança, à custa do tráfico de droga, a situação de milionário e a respeitável posição de deputado. Buthayna Al Sayyed (Hend Sabri), uma jovem pobre que para sustentar a família aceita manter uma relação sexual com o patrão, desde que, a conselho da mãe, conserve a virgindade. Hatem Rachid (Khaled El Sawy) famoso jornalista homossexual iniciado no sexo ainda muito jovem por um criado núbio, e que é amante de Abd Raboh (Bassem Samra), um soldado casado e vítima dos preconceitos morais da sociedade. Quando, inesperadamente, morre o seu filho, a esposa, que não ignora a sua relação homossexual com o jornalista, faz com que ele creia que a morte da criança é o castigo de Deus pelos seus pecados.

No livro de Al Aswani, é o soldado Raboh que mata o jornalista seu amante, mas no filme foi um rapaz desconhecido que é levado para sua casa num instante de desespero. Enfim, o autor do livro e o diretor do filme afrontaram os principais tabus da sociedade egípcia: a corrupção e o oportunismo, o fundamentalismo religioso, o terrorismo e a repressão policial, a hipocrisia moral e religiosa, a intolerância e a ignorância. Os desencantos de qualquer sociedade.





Clique no banner abaixo e apóie a aprovação do PLC 122/06. Em menos de 1 minuto, você assina o abaixo-assinado, envia seu voto para os 81 senadores e ainda indica a Campanha para seus amigos.

não homofobia



publicado por star às 09:40 | link do post | comentar

4 comentários:
De Mih a 23 de Maio de 2009 às 16:44
Parece ser exelente! (:
E sobre confundirem Kush com Dali esse é um fato. Meu melhor amigo mostrou-me uma obra crente que era de Dali, para um trabalho, porém era de Kush. Muitas obras do surrealismo realmente se mesclam.

Obrigada pela visita.
E não suma !


De ɐlıɯɐɔ a 24 de Maio de 2009 às 18:15
minha namorada tb era mais depois mudou. ela odiou a ideia mais ta se acostumando.. bjks linda..


De Laila Braga a 25 de Maio de 2009 às 08:20
Estava comentando com um amigo sobre, na noite passada...


De ¿ llolinha a 26 de Maio de 2009 às 15:27
oi maravilha
olha tenho que te agradecer, meu blog ganhou cara e personalidade.. muita coisa agradeço a ti...
o nome foi de fundamental valia, quando li seu comentario la, me eu um estalo e troquei tudo, mais uma super mudança, brigada fiz um presente pra vc, xeros....


Comentar post

19 de agosto

posts recentes

prince: ícone gay no pass...

recuperado está

o que é: homofobia interi...

j. edgar hoover e clyde t...

trevor project e daniel r...

arquivos

Agosto 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

* cronologia do movimento gay

* retrospectiva 2007

* retrospectiva 2008

a homossexualidade no decorrer da histór

citando

colírio

definindo

depoimentos

direitos e leis

divulgando datas

divulgando eventos

divulgando organizações e ongs

ela e ela

fatos e fotos

feministas

filme e pipoca

homossexuais célebres

livro e abajur

música e sexualidade

musicando estrelas

o que é

poetando

quadrinhos e revistas gays

sombra e luz

sussurros...

vídeos e comerciais

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds