Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2009
Haifa Wehbe

Haifa Wehbe, é uma cantora nascida em Marajuna, um remoto vilarejo xiita do sul do Líbano, onde morava com sua família em uma modesta casa de dois quartos e sem banheiro. Transformou-se em símbolo sexual internacional dos árabes e sua canção é difundida por todas as emissoras de rádio e seu vídeo exibe movimentos de corpo sensuais, provocativos, às vezes quase lascivos. Haifa acompanhou o veterano ator egípcio Omar Sharif à cerimônia do Oscar, fez com um famoso jogador de futebol europeu a campanha publicitária de uma cerveja sem álcool e está rodando um filme em Hollywood.

Seu sucesso ultrapassou os limites da canção e do entretenimento dos povos do Oriente Médio. Os árabes nunca haviam conseguido um símbolo sexual internacional próprio. Não é a voz e nem a graça das letras que canta que conquistaram esse público sem fronteiras. Haifa, com seu erotismo suavizado, mas à flor da pele, comove até nas ondas do rádio e nos discos. Com sua arte leve e seu corpo em liberdade, encarna o espetáculo. É vedete e dançarina oriental ao mesmo tempo. Representa a provocante imagem de um novo estilo da canção árabe, muito distante das imortais Um Kalsum e Fairuz.

Dominando a bela baía de Junie, com seus milhares de luzes tremulantes, o cassino do Líbano, com seu suntuoso vestíbulo e suas escadarias solenes, foi o símbolo da vida alegre e despreocupada da capital libanesa antes das guerras. Desde 1959 e durante duas décadas, a reputação deste cassino, o maior do Oriente Médio, só perdia no cenário internacional para o de Montecarlo. Com sua longa cabeleira negra, vestida com uma calça branca curta e justa e um transparente e grande véu que mostrava os encantos de suas pernas nuas e de seu busto, Haifa Wehbe voltou a triunfar no cassino, e é a mais esplêndida estrela árabe da canção, a mais fulgurante estrela do Oriente.

Mas o erotismo de sua dança custou-lhe a rejeição de seu vilarejo natal, onde seu pai ainda vive humildemente e em cuja praça principal está o retrato de seu irmão Ahmad, miliciano da Amal morto em combate contra soldados israelenses. Ela não é bem-vinda e seus vizinhos não a deixaram assistir ao funeral do irmão.

clique na imagem para ampliar
<ahref="http://2.bp.blogspot.com/_gadbdbc0zjw/swvtl9krlhi/aaaaaaaaevg/wwxiglxdpiw/s1600-h/301haifa+wehbe+2.gif">Haifa Wehbe</a>



publicado por star às 21:31 | link do post | comentar

19 de agosto

posts recentes

prince: ícone gay no pass...

recuperado está

o que é: homofobia interi...

j. edgar hoover e clyde t...

trevor project e daniel r...

arquivos

Agosto 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

* cronologia do movimento gay

* retrospectiva 2007

* retrospectiva 2008

a homossexualidade no decorrer da histór

citando

colírio

definindo

depoimentos

direitos e leis

divulgando datas

divulgando eventos

divulgando organizações e ongs

ela e ela

fatos e fotos

feministas

filme e pipoca

homossexuais célebres

livro e abajur

música e sexualidade

musicando estrelas

o que é

poetando

quadrinhos e revistas gays

sombra e luz

sussurros...

vídeos e comerciais

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds