Sábado, 25 de Agosto de 2007

Os signos de Vênus e de Marte unidos em um mesmo símbolo representam a androginia e também a transexualidade.


Transexual é um indivíduo que possui uma identidade de gênero oposta ao sexo designado (normalmente no nascimento). O indivíduo tem a clara sensação e percepção de que pertence a um sexo que não está de acordo com o seu sexo biológico levando-o, muitas vezes, a um tratamento hormonal e/ou cirúrgico nos órgãos genitais para equilibrar a discordância entre sua identidade sexual e seu corpo. A explicação estereotipada é de "uma mulher presa em um corpo masculino" ou vice-versa, ainda que muitos membros da comunidade transexual, assim como pessoas de fora da comunidade, rejeitem esta formulação. Deve ser ressaltado que a transexualidade não está associada ou é dependente da orientação sexual. Mulheres e homens transexuais exibem uma gama de orientações sexuais. Por exemplo, alguém designado como do gênero masculino no nascimento mas que identifica-se a si como uma mulher, e que é atraída tão somente por homens, irá identificar-se como heterossexual, da mesma forma, alguém que foi designado como do sexo feminino no nascimento, identifica-se como homem e prefere parceiros homens ira identificar-se como gay, não como heterossexual.


Apesar de pouco debatida, a transexualidade no nosso país é levada a sério pelo sistema público de saúde. Desde 1997 as cirurgias de redesignação de sexo no Brasil são gratuitas, desde que realizadas em hospitais-escola do setor público. Para ter acesso ao serviço, o paciente deve ter mais de 21 anos, ser mentalmente capaz, estar em conformidade com os pré-requisitos dos protocolos médico e psicológico e assinar um termo de consentimento para a cirurgia.

Causas da transexualidade: não há cientificamente nada que prove quais são as causas da transexualidade. Entretanto, muitas teorias sugerem que a causa tem suas raízes na biologia outras na psicologia. No passado, muitas causas psicológicas para a transexualidade foram propostas, incluindo "mães superprotetoras e pais ausentes", "pais que almejavam uma criança do sexo oposto", "homossexualidade reprimida", "abuso sexual" ou uma variedade de "perversões sexuais". Nenhuma dessas teorias, entretanto, pôde ser aplicada para a maiorias das pessoas transexuais, normalmente nem mesmo para uma significante minoria. Muitas teorias foram também aplicadas a homossexuais e também não funcionaram.

Redesignação sexual: grande parte dos homens e das mulheres transexuais sofre psicologica e emocionalmente devido ao conflito entre identidade de gênero, seu papel de gênero original e sua anatomia. Encontram como única saída a mudança de seus papéis de gênero e a passagem por uma terapia de redesignação sexual. Isso pode incluir o uso de hormônios para modificar suas características sexuais secundárias, ou mesmo se submeter a uma terapia de redesignação sexual. A partir da confirmação do diagnóstico da transexualidade e o desejo do paciente de trocar de sexo, é iniciada a etapa médica do tratamento. A hormonioterapia ajuda gradualmente ao transexual despojar-se de algumas características sexuais contrárias à sua real identidade sexual.

1 - No transexual mulher para homem são administrados hormônios androgênios que promovem o crescimento de pêlos faciais e corporais, aumento da massa muscular e tornam a voz mais grave. São retiradas as mamas (mastectomia), o útero (histerectomia) e os ovários (ooforectomia ). É construído um neofalo, a partir de enxerto moldado em formato peniano (faloplastia) que poderá ficar ereto com uso de uma prótese.

2 – No transexual homem para mulher, o pênis é esvaziado, mas a pele e os nervos do órgão são preservados. Ele é introduzido na abertura feita no períneo. O tecido do pênis serve de revestimento para a nova vagina. A glande, muito sensível, fica no fundo do canal e imita o colo do útero. Os testículos são extraídos. Com a pele, o cirurgião constrói os lábios vaginais. O aspecto final é muito semelhante à genitália feminina.



Moira: a transexual da série The L Word

Na terceira temporada da série The L Word, transmitida pelo canal pago Warner Channel, um assunto pouquíssimo discutido no Brasil virá à tona no decorrer da trama: o transexual feminino para masculino. A personagem Moira/Max, interpretada pela atriz Daniela Sea (homossexual e lindérrima assumida na vida real) passará, com o desenvolver da temporada, a identificar-se como transexual e iniciará o processo de redesignação, passando do sexo biológico feminino para o masculino. Site oficial da Daniela




Alan: a transexual brasileiro de feminino para masculino

Confira, abaixo, a entrevista (retirado do site MixBrasil) de Alan, transexual brasileiro, que passará pela transição de feminino para masculino em breve e que luta na justiça para a mudança do nome nos documentos oficiais podendo assim, constituir família perante a lei.

. Como é ser transexual no Brasil?
Complicadíssimo, ainda existe muito preconceito principalmente no meio GLBT, mas se tiver força de vontade e lutar pelos objetivos, os mesmos serão alcançados.

. Como foi sua infância?
A infância foi tranqüila porque ainda não tinha a curiosidade de saber o que acontecia comigo, tinha que obedecer as regras mesmo.

. E a decisão de mudar de sexo, como e quando aconteceu?
Tem 1 ano que conheci alguns irmãos de causa e vim me conhecendo e vendo o que realmente rolava comigo.

. Você passará pelo processo completo de transição? Como é o procedimento cirúrgico?
Completo ainda não penso, mas farei a mastectomia, o uso de testosterona e daqui a alguns anos a histerectomia. Pra chegar à cirurgia temos que passar por uma terapia, onde recebemos um laudo, comprovando que somos realmente transexuais.

. Como sua família encara sua determinação?
Alguns ainda se opõem a minha decisão principalmente minha mãe, mas tenho tios e primos que me dão maior apoio e já m aceitam como Alan.

. Como sua esposa encara sua coragem?
Ela é a maior aliada nisso tudo, me apóia em todas as decisões e como uma ótima esposa me deixa hiper a vontade em nossa relação.

. Como é constituir uma família diante dos impedimentos legais no nosso país?
Estamos buscando junto a advogados o consentimento da mudança do nome até a cirurgia, isso sendo feito não teremos impedimentos legais a partir do momento que meu R.G constará sexo masculino.

. Você não tem medo de se arrepender?
Eu só me arrependo do que não faço, e pra mim isso não é um capricho, é uma necessidade, uma conquista, um reconhecimento, só serei eu mesmo quando puder me olhar no espelho e me ver como eu sempre me senti.



Lista de transexuais famosos mundialmente

A lista abaixo é de transexuais e transgêneros que de algum modo trouxeram benefícios para a sociedade, seja lutando em favor das minorias, seja como pessoas públicas que se destacam artística, cultural, científica ou politicamente:

Brasil
Andréia de Maio, empresária e militante dos Direitos Humanos GLBTT(in memorian)
Bárbara Graner, educadora e porta-voz dos Direitos Humanos GLBTT
Brenda Lee, militante dos Direitos Humanos GLBTT (in memorian)
Bianca Soares, atriz, ex-participante da "Casa dos Artistas 4", no SBT
Claudia Wonder, artista, colunista, escritora e militante dos Direitos Humanos GLBTT
Fernanda Benvenutty, enfermeira e militante dos Direitos Humanos GLBTT
Jackeline Galiaci, primeira latino-americana a fazer uma CRS (in memorian)
Kátia Tapety, política.
Katielly Lanzini, jornalista e escultora.
Maitê Schneider, atriz e militante dos Direitos Humanos GLBTT
Moa, política.
Roberta Close, atriz e modelo.
Roberta de Massao Ida, primeira médica assumidamente transexual do Brasil.
Rogéria, atriz transformista.
Ruddy Pinho, cabeleireira, atriz e escritora.
Thelma Lipp, atriz, jurada de programa e apresentadora. (in memorian)
Walkiria La Roche, hostess e militante dos Direitos Humanos GLBTT
Waléria Torres (ou Wal Torres, MS - PhD, também conhecida como Martha Freitas), terapeuta do gênero e sexóloga.

China
Zhang Lin, militante.

Dinamarca
Lili Elbe, transexual pioneira do século XIX.

Espanha
Antonia San Juan, atriz.
Carla Antonelli, atriz e militante.

Estados Unidos
Christine Jorgensen, ex-soldado, primeiro transexual americano a se submeter a uma CRS (in memorian)
Jennifer Finney Boylan, escritora e professora universitária
Lynn Conway, engenheira e inventora.
Marci Bowers, médica.
Rusty Mae Moore, economista e professora universitária.

França
Camille Cabral, médica, política e militante pelos Direitos Humanos GLBTT
Coccinelle, artista e dançarina (in memorian)

Países Baixos
Kelly van de Veer, atriz e modelo.

Índia
Kamla Jaan, política.
Shabnam Mausi, política.
Tista, atriz

Irã
Maryam Khatoon Molkara, militante

Israel
Dana International, cantora.

Itália
Vladimir Luxuria, ator, político e ativista do Direitos Humanos GLBTT

Nova Zelândia
Georgina Beyer, política.

Portugal
Filipa Gonçalves, modelo e ex-participante do reality show "Quinta das Celebridades", na TVI
Nádia Almada, ex-vendedora ganhadora da versão inglesa do Big Brother.

Serra Leoa
Fannyann Eddy, importante militante e fundadora do movimento GLBTT do país (in memorian)

tags:

publicado por star às 03:44 | link do post | comentar

1 comentário:
De Alina Horta a 30 de Outubro de 2007 às 19:19
É tão bom saber que tem tanta gente que, apesar de toda luta, de toda dificuldade, consegue ir além e mudar de sexo, realizando o sonho de ser externamente o que já é internamente. Isso serve de exemplo para não sermos fracos(as) e seguirmos o exemplo dos(as) pioneiros(as), que, contra tudo e todos, chegaram lá. Como disse Maiacowski: "Viver não é difícil, difícil é a vida e seu ofício."


Comentar post

19 de agosto

posts recentes

prince: ícone gay no pass...

recuperado está

o que é: homofobia interi...

j. edgar hoover e clyde t...

trevor project e daniel r...

arquivos

Agosto 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

* cronologia do movimento gay

* retrospectiva 2007

* retrospectiva 2008

a homossexualidade no decorrer da histór

citando

colírio

definindo

depoimentos

direitos e leis

divulgando datas

divulgando eventos

divulgando organizações e ongs

ela e ela

fatos e fotos

feministas

filme e pipoca

homossexuais célebres

livro e abajur

música e sexualidade

musicando estrelas

o que é

poetando

quadrinhos e revistas gays

sombra e luz

sussurros...

vídeos e comerciais

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds