Sábado, 23 de Agosto de 2008

No passado, para muitas atletas femininas, as semanas que antecediam as olimpíadas costumavam ser um período de terror. Estas mulheres não estavam preocupadas em ganhar as medalhas olímpicas, o que as aterrorizavam era caírem no teste de feminilidade, e serem expostas ao mundo como um homem. Escândalos olímpicos foram usados nesse sentido.

Isso começou nos jogos de Berlim em 1936, na era de Hitler, quando a americana Helen Stephens bateu a fabulosa Stella Wash para vencer os 100m, e foi categoricamente acusada de ser um homem. Os médicos germânicos inspecionaram os genitais de Helen e concluíram que ela era uma mulher. Isto pôs fim ao debate, mesmo com crenças de que outras corredoras corriam como homens. Nos anos 80, Stella Wash foi morta durante um roubo e a autópsia mostrou que era ela que tinha genitais masculinos.

Nos anos 60, quando a cobertura televisiva das olimpíadas começou, expectadores viram mulheres ganharem medalhas olímpicas, atletas que acreditavam serem homens. Em 1966 os testes de sexo foram introduzidos: atletas femininas eram postas nuas e submetidas a exames ginecológicos. Mais humilhantes foram os testes que em 1968 o ‘Comitê Olímpico Internacional’ tentou introduzir para substituir aos exames ginecológicos, uma verificação para saber se cada competidora possuía os dois XX cromossomos.

Os testes de gênero foram perdendo credibilidade. Uma corredora tcheca, de 1930, chamada Zend Koubrova sofreu horrores por ver uma fotografia de seus genitais ambíguos publicados. Ela retornou para sua casa e assim permaneceu reclusa por anos. A polonesa Eva Kobkowsca foi banida dos eventos femininos em 1967 por ter cromossomos XXY, porém nada foi provado.

O judô brasileiro enfrentou em 1996 a polêmica em torno de Edinanci Silva. O vôlei entrou no tema em 1997, com Érika Coimbra. Os dois casos, porém, estão distantes da transexualidade. Elas nasceram mulheres, mas tiveram a sexualidade contestada porque apresentavam características de ambos os sexos, excesso de hormônio masculino e precisaram passar por cirurgias reparadoras para competirem como mulheres.

A atacante brasileira Érika, jogadora da seleção brasileira foi submetida ao exame durante o mundial juvenil, em setembro de 1997, e teve o resultado positivo. Érika tinha uma má formação dos órgãos reprodutores e teve de ser submetida a uma cirurgia e a tratamento hormonal. Na época, o mexicano Ruben Acosta, presidente da 'Federação Internacional de Voleibol' foi duro: obrigou o Brasil a tirar Érika da competição, sob a ameaça de a equipe ser eliminada do torneio. Acosta afirmou que a sua entidade não seguirá a medida anunciada pelo COI: de abrir as portas das competições para as transexuais. Para Acosta permitir a presença de mulheres transexuais em torneios de vôlei são abusos humanos. O mexicano foi acusado de corrupção e investigado pela Justiça da Suíça e pelo Comitê Olímpico Internacional por uso ilegal de verbas. No início de 2005 a ‘Federação Internacional de Voleibol’ decidiu abolir testes de feminilidade.

Os testes nunca provaram que um homem foi mascarado como uma mulher, mas eles traumatizaram mulheres intersexuais. Recentemente o 'Comitê Olímpico' aceitou a ciência moderna que afirma que o gênero não é absoluto. Esta comprovação permitiu a transexuais, pessoas que possuem o gênero cerebral opostos aos genitais, a competirem nas olimpíadas. O COI entendeu que não faz nenhum sentido barrar uma transexual ou os homossexuais nos jogos olímpicos, e concluiu que: quanto mais nós vermos essas pessoas na primeira-classe dos esportes mundiais, profissionais ou não, as pessoas começarão a entender que são o tipo de atletas que nós queremos em esportes, eles são corretos, dignos, trabalham duro, perseguem seus objetivos, não têm medo de serem o que são e são excelente competidores.




publicado por star às 18:30 | link do post | comentar

2 comentários:
De Gospel a 24 de Agosto de 2008 às 10:39
Nossa que absurdo, imagina o trauma, a frustração a própria humilhação imposta por um tanto de conceitos nefastos em cima do que é HUMANO. Podre aquilo que vem do vitorianismo</a>...

Ontem assisti um filme A volta do todo poderoso é uma comédia, mas no fim uma lição importante: Amor e carinho são significantes para poder se mudar o mundo! Bem, acho que não é o caso de quem vive de juízos e preconceitos. Por isso fico imaginando o que ficou delas, ou o que fizeram restar a elas. Desumano, demasiadamente.

Sobe o texto lá... Pode postá-lo à vontade, e que bom que vc tenha gostado! Valeu o apoio.

Forte abraço.


De Rakel a 14 de Setembro de 2008 às 02:50
Credo... ela ainda era mulher mesmo neh... Mas e os trans operados... Axo q tem direito neh, se mudam identidade e tudo mais tem q ser considerados do sexo q são realmente, depois de operados e de se descobrirem pra vida!


Comentar post

19 de agosto

posts recentes

prince: ícone gay no pass...

recuperado está

o que é: homofobia interi...

j. edgar hoover e clyde t...

trevor project e daniel r...

arquivos

Agosto 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

* cronologia do movimento gay

* retrospectiva 2007

* retrospectiva 2008

a homossexualidade no decorrer da histór

citando

colírio

definindo

depoimentos

direitos e leis

divulgando datas

divulgando eventos

divulgando organizações e ongs

ela e ela

fatos e fotos

feministas

filme e pipoca

homossexuais célebres

livro e abajur

música e sexualidade

musicando estrelas

o que é

poetando

quadrinhos e revistas gays

sombra e luz

sussurros...

vídeos e comerciais

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds