Quinta-feira, 7 de Fevereiro de 2008

'Art Déco’, palavra de origem francesa é abreviação de ‘arts décoratifs’, e refere-se a um estilo que afetou a arquitetura, o design e as artes plásticas na década de 20. Edifícios, esculturas, jóias, luminárias, móveis, tudo é geometrizado e luminoso.

De todos os artistas, a bissexual Tamara de Lempicka foi uma notável e memorável pintora da ‘art déco’ e também muito influenciada pelo cubismo. Nascida Maria Gurwik-Górska, perto de Varsóvia em 1898 em uma família abastada da Polônia, seu pai era um advogado judeu-russo e sua mãe uma socialite de origem polaca.

Estudou em colégio interno na Suíça, e com 20 anos casou-se pela primeira vez com o solteiro mais cobiçado, o advogado Tadeusz Laempicki que conheceu num baile de máscaras. Um ano depois da Revolução Russa fugiram para Paris. Após o nascimento de sua filha Kizette, adota o nome Tamara e vai estudar pintura e é onde a fantástica história de Tamara de Lempicka começa.

Instalada em Montparnasse, logo fez-se famosa entre a nata da sociedade parisiense. ‘La belle polonaise’, como era chamada, torna-se um exemplo de mulher moderna e elegante, transforma-se numa verdadeira diva, tanto que, pegando carona em seu sucesso, a empresa Revlon, fabricante de cosméticos, lhe dedica uma marca de batom.

Criadora de um estilo sensual e muito sofisticado que produziu efeitos de desejo e sedução, Tamara de Lempicka foi uma das protagonistas daqueles ‘loucos anos 20’. A sua paixão pelas tintas fortes e de cores iluminadas, expõe de forma crua e fria, os sentimentos e emoções, extravagância e sensualidade, expressando erotismo em seus quadros. Reflexo dela própria, uma personalidade amante dos excessos. Em sua obra, a mulher aparece ora ultra-feminina, ora masculinizada, mas sempre forte.

Divorciada do primeiro marido casa-se com um rico aristocrata húngaro, o Barão Raoul Kuffner, e com a ameaça de uma segunda Guerra Mundial, mudam-se para Nova York. Bela, emancipada, moderna e escandalosa, personagem das noitadas nova-iorquinas, sua vida e sua obra trafegaram entre hotéis de luxo e automóveis conversíveis.

Assumiu publicamente sua bissexualidade e teve inúmeros casos com amigos, modelos e desconhecidos. Tudo com muito esplendor que camuflavam o abuso de cocaína, as dificuldades nas relações com a sua filha, com quem nunca conseguiu manter uma relação equilibrada, a depressão, e, por fim, a solidão que também é expressa em suas telas.

Após a morte do seu marido muda-se primeiro para o Texas e depois para o México onde viria falecer e conforme expresso em seu testamento, suas cinzas foram dispersas, pela filha, sobre o vulcão Popocatepetl.

Entre os admiradores e colecionadores de sua obra figuram personalidades como o ator Jack Nicholson e a cantora Madonna, que a homenageia nos videoclips de ‘Express Yourself’ e ‘Vogue’.

'Para aqueles que, como eu, vivem à margem da sociedade, as regras habituais não têm qualquer valor', esta frase define claramente o espírito e a postura ao longo da sua vida e obra.

algumas pinturas de tamara de lempicka



publicado por star às 06:58 | link do post | comentar

4 comentários:
De Viva ao Natural a 7 de Fevereiro de 2008 às 15:06
PARABENS PELO BLOG!!!


De Mara* a 7 de Fevereiro de 2008 às 22:30
sabemos que o preconceito, infelizmente, é parte do mundo e que a mentalidade do brasileiro não aceita comportamentos sexuais e modo de vida liberais. estamos bem arranjadas, eu com a minha orientação sexual e você como naturista. lidar com o preconceito não é fácil. interessante a sua proposta de blog.

abraço você


De Van a 8 de Fevereiro de 2008 às 14:26
oi,Mara.Vida intensa da personagem de hoje.Claro que para os ricos tudo fica mais fácil.Mas,creio,que ha pessoas que nao nasceram para seguir regras impostas.Sao revolucionárias no modo de ver e agir no mundo(elas provocam as mudanças necessarias ao mundo).Acho que o amor,seja como for deve ser livre para sua expressão sadia.O corpo humano ainda nao é visto com naturalidade(nao como deveria ser)poucos grupos sociais(os índios nao aculturados) ainda se sentem em paz com seu corpo.Afinal nascemos nus!Vestir o corpo com a moralidade hipocrita gerou doencças mentais,sadismos sexuais etc...Esconder gera a curiosidade imbecil e explorada.Felizmente temos agora a Educação sexual nas escolas,mesmo contra a vontade da religião católica.A ignorancia acaba gerando Traumas ao corpo, ao sexo;violencia fisica geralmente tem um fundamento de repugnancia ao corpo (nosso ou do outro).O poder como opressao fisica, submissão ao prazer do sexo como dor fisica. No processo de Educaçao vamos melhorando a nossa relaçao de naturalidade ante o nosso corpo(perdido)pela moral religiosa que nos fez doentes. Proibiu-se agora é hora de educar para o sexo e a afetividade.Tudo o mais..Freud explica.Abraço.


De requeri a 9 de Fevereiro de 2008 às 11:23
lindinha, sabe que só agora tô repanado?!?!? este aqui é bem mais enfeitadinho. gosto dele. uma peruazinha escondida que me deixa alegrinha. beijo vc.


Comentar post

19 de agosto

posts recentes

prince: ícone gay no pass...

recuperado está

o que é: homofobia interi...

j. edgar hoover e clyde t...

trevor project e daniel r...

arquivos

Agosto 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

* cronologia do movimento gay

* retrospectiva 2007

* retrospectiva 2008

a homossexualidade no decorrer da histór

citando

colírio

definindo

depoimentos

direitos e leis

divulgando datas

divulgando eventos

divulgando organizações e ongs

ela e ela

fatos e fotos

feministas

filme e pipoca

homossexuais célebres

livro e abajur

música e sexualidade

musicando estrelas

o que é

poetando

quadrinhos e revistas gays

sombra e luz

sussurros...

vídeos e comerciais

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds