Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2009
a mulher na idade média

Na Idade Média, a maioria das idéias e dos conceitos era elaborada pelos eclesiásticos. Para esses homens a mulher ao mesmo tempo em que era tida como a culpada pelo pecado original, a Virgem Maria foi a mulher que deu ao mundo o salvador e redentor dos pecados. E esse conceito do feminino está presente no cristianismo desde a sua consolidação baseada em uma doutrina repressora. As mulheres eram consideradas pelo clero como criaturas débeis e suscetíveis às tentações do diabo, logo, deveriam estar sempre sob a tutela masculina.

A principal preocupação com as mulheres era mantê-las virgens e afastar os clérigos desses seres demoníacos que personificavam a tentação carnal. Afinal, todas elas descendiam de Eva, a pecadora, a tentadora, aliada de Satanás e culpada pela queda. Eva concentra em si todos os vícios que trazem símbolos femininos, como a luxúria, a gula, a sensualidade e a sexualidade. Todos esses atributos apareciam nos sermões feitos pelos pregadores. E como forma de salvação para a mulher, eles ofereciam a figura de Maria Madalena, a prostituta arrependida que se submeteu aos homens e a Igreja.

A partir do século XI, com a institucionalização do casamento pela Igreja, a maternidade e o papel da boa esposa passaram a serem exaltados. As filhas eram totalmente excluídas da sucessão, quando contraiam matrimônio recebiam um dote constituído de bens que seriam administrados pelo marido. A linhagem beneficiava apenas componentes do sexo masculino, e a herança só era passada para o primogênito. O casamento era um pacto entre duas famílias, seu objetivo era simplesmente a procriação. A mulher era ao mesmo tempo doada e recebida, como um ser passivo. Sua principal virtude, dentro e fora do casamento, deveria ser a obediência e a submissão. Na prática do sexo, sempre com o objetivo único da procriação, a mulher não deveria demonstrar sensação de prazer, a posição deveria ser o homem sobre a mulher. Essa posição obrigatória da prática do sexo indicava a situação de submissão que dela se esperava. Cabia aos homens, pais ou maridos, o direito de castigá-las como uma criança, uma doméstica, uma escrava. Não era bom que uma mulher soubesse ler e escrever, a não ser que entrasse para a vida religiosa. Uma moça deveria isso sim, saber fiar e bordar exceto no caso de camponeses e classes mais baixas, que deveriam acompanhar seu marido no trabalho feudal.

Criou-se então uma pedagogia da salvação feminina a partir basicamente de três modelos femininos: Eva (a pecadora), Maria (o modelo de perfeição e santidade) e Maria Madalena (a pecadora arrependida). As doutrinas diferentes à religião católica pregavam que a mulher poderia ter os mesmos direitos que o homem, por isso eram, calorosamente, perseguidas pela Igreja. (do livro: ‘A mulher na idade média’ de José Reaver Macedo)



pensamentos sobre a mulher na idade média

‘Quem bate numa mulher com uma almofada, pensa aleijá-la e não lhe faz nada.’ (provérbio da época).

‘A alma de uma mulher e a alma de uma porca são quase o mesmo, ou seja, não valem grande coisa.’ (Arnaud Laufre).

‘Quando um homem for repreendido em público por uma mulher, cabe-lhe o direito de derrubá-la com um soco, desferir-lhe um pontapé e quebrar-lhe o nariz para que assim, desfigurada, não se deixe ver, envergonhada de sua face. E é bem merecido, por dirigir-se ao homem com maldade de linguajar ousado.’ (Tratado de conduta moral e costumes da França, século XIV)



pensamento sobre a mulher em 2007

Na sua opinião, uma mulher que é agredida pelo marido deve manter o casamento ou divorciar-se?
Depende do grau da agressão.

O que é isso do grau da agressão?
Há o indivíduo que bate na mulher todas as semanas e há o indivíduo que dá um soco na mulher de três em três anos.

Então reformulo a questão: agressões pontuais justificam um divórcio?
Eu, pelo menos, se estivesse na parte da mulher que tivesse um marido que a amava verdadeiramente no resto do tempo, achava que não.

(entrevista do Reitor do 'Santuário de Fátima', Luciano Guerra, concedida a um jornal português, em 13 de Outubro de 2007)



Temas relacionados:
a homossexualidade na antiguidade
deuses, filósofos, escravos e tiranos
a homossexualidade na grécia antiga
escravos e índios
a homossexualidade em roma
inquisição
homossexualidade na idade média


tags:

publicado por star às 13:48 | link do post | comentar

2 comentários:
De Marcia Paula a 23 de Janeiro de 2009 às 00:49
Alguém devia dar uns socos na cara desse reitor para ver como ele se sentiria.Que coisa nojenta!


De requeri a 25 de Janeiro de 2009 às 14:13
tem uma prova de fogo pra vc no rebloggando. beijo.


Comentar post

19 de agosto

posts recentes

prince: ícone gay no pass...

recuperado está

o que é: homofobia interi...

j. edgar hoover e clyde t...

trevor project e daniel r...

arquivos

Agosto 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

* cronologia do movimento gay

* retrospectiva 2007

* retrospectiva 2008

a homossexualidade no decorrer da histór

citando

colírio

definindo

depoimentos

direitos e leis

divulgando datas

divulgando eventos

divulgando organizações e ongs

ela e ela

fatos e fotos

feministas

filme e pipoca

homossexuais célebres

livro e abajur

música e sexualidade

musicando estrelas

o que é

poetando

quadrinhos e revistas gays

sombra e luz

sussurros...

vídeos e comerciais

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds