Segunda-feira, 5 de Novembro de 2007
Certa vez, precisei dormir na casa de uma amiga e, como estávamos vindo de uma balada, não carregava comigo minha nécessaire. Pós-balada é aquela nhaca: você parece um cinzeiro ambulante. Tudo em você fede a cigarro: roupas, cabelo, tudo. Mesmo para quem não fuma, até as entranhas estão cheirando a tabaco. Certamente, aceitei e agradeci um banho antes de deitar. Mas, colocar a mesma calcinha? Como minha amiga mora com os pais e o irmão, a única solução que encontramos foi um pacote de cuecas novas que ele acabara de comprar. Antes uma cueca nova que uma calcinha "a la Marlboro", pensei. O que eu realmente não esperava era a sensação de mal-estar que sentiria ao vesti-la. Coloquei a cueca e um pijama uns três números menores do que o que uso normalmente (o que me fez sentir um gigante na terra do Pequeno Polegar) e segui para o quarto sem olhar para os lados, como se estivesse vestida com a roupa do rei de Roma (aquela que não existia, lembra?) e só a cueca estivesse à mostra. Fiquei ali, rolando na cama, me perguntando porque aquela cueca estava me incomodando tanto, afinal, era muito mais confortável que calcinha e não passava de um pedaço de algodão com uma abertura na frente.

Cheguei à seguinte conclusão: somos tão condicionadas e moldadas pela sociedade que aceitamos sem questionar tudo o que nos é imposto. "Menina usa calcinha e menino usa cueca", já dizia nossa mãe quando éramos pequenas. As peças íntimas acabaram tornando-se símbolos do gênero. Se você usar cueca, certamente será uma aberração. Por quê? Qual a diferença? Ambas servem para cobrir e proteger a genitália, independente do seu formato. A sociedade confunde a lesbiandade com o desejo de ser homem. Talvez esse fantasma também tenha me assombrado ao vestir aquela ínfima peça de roupa. E se minha amiga (que por acaso era hétero) pensasse que eu quero ser homem? Minha cabeça girava em questionamentos insanos. Primeiro porque eu não pedi para vestir a cueca, logo, como ela pensaria isso? E depois, esse seria um problema único e exclusivamente meu, já que eu poderia sofrer de Transtorno de Identidade de Gênero*, o que obviamente não é o caso.Aquela experiência foi tão contundente que jamais a esqueci. Algo tão simples me fez ver coisas tão profundas e arraigadas na memória e que eu deixava tomar conta de mim sem lutar ou questionar. Eu posso sim, quando eu bem entender, usar cueca ao invés de calcinha e isso nunca me fará mais ou menos feminina, mais ou menos lésbica. Desde então mantenho uma boxer na minha gaveta (de microfibra, deliciosa) e uma Slip fashion que ganhei de uma amiga e as uso sempre que tenho vontade. Algumas namoradas estranham no começo, mas depois de explicado este episódio, algumas até aderem à moda. Aliás, aqui para nós, é muito mais gostoso e não aperta a virilha. Portanto, eu te desafio a usar uma cueca. Mas não vale usar entre o banheiro e o seu quarto. Saia de casa de saia e cueca, de calça e cueca, só de cueca se você quiser (vai saber?) e sinta-se livre!

* O Transtorno de Identidade de Gênero caracteriza-se pela pessoa acreditar ou querer ser do sexo oposto, tendo um sofrimento e uma estranheza muito grande com seu próprio sexo e com o seu papel social.

(texto de Nina Lopes, escritora e ativista)


tags:

publicado por star às 10:28 | link do post | comentar

2 comentários:
De LUA e SOL a 5 de Novembro de 2007 às 17:30
hehehehe.. adorei o texto.. eu já experimentei usar cueca.. e é bommm.. principalmente quando estamos naqueles famosos dias.. hehehe..
Experimentem é bommmm,
Beijosss
Lua


De O Profeta a 6 de Novembro de 2007 às 14:53
A complicação que deu a falta de uma...cuequinha...


Doce beijo


Comentar post

19 de agosto

posts recentes

prince: ícone gay no pass...

recuperado está

o que é: homofobia interi...

j. edgar hoover e clyde t...

trevor project e daniel r...

arquivos

Agosto 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

* cronologia do movimento gay

* retrospectiva 2007

* retrospectiva 2008

a homossexualidade no decorrer da histór

citando

colírio

definindo

depoimentos

direitos e leis

divulgando datas

divulgando eventos

divulgando organizações e ongs

ela e ela

fatos e fotos

feministas

filme e pipoca

homossexuais célebres

livro e abajur

música e sexualidade

musicando estrelas

o que é

poetando

quadrinhos e revistas gays

sombra e luz

sussurros...

vídeos e comerciais

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds