Terça-feira, 15 de Julho de 2008

‘ao avistar pedras recolhi-me em um armário, e mesmo solitária, escrevi uma história.’

O armário representa a proteção ou a repressão da sexualidade, das vontades sexuais e afetivas. O prazer sexual é, muitas vezes, reprimido devido à maquiada consciência religiosa que habita inúmeros mundos, em que o sexo e as relações homoafetivas são condenadas pela instituição igreja e por muitas famílias, onde a desinformação predomina entre as visões. 'É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito'. Infelizmente, após muitos valores terem sido transformados ao longo do tempo, concluímos que a frase de Albert Einsten continua atual, afinal ainda encontramos o preconceito em nossa sociedade. E tal aversão à diferença está presente em nós mesmos, embutidas em nossos valores pessoais, na nossa forma de observar. Muitas vezes avaliamos determinadas pessoas ou grupos observando somente um aspecto de sua vida, verdade e opinião.

‘com duvidosos sorrisos pensei ver a calmaria chegar, iluminei meus anseios, e entreguei a minha verdade aos porcos.’

Armário. O que poderia ser um artifício para o auto-conhecimento, em que evitamos prévios constrangimentos, acaba se tornando algo muito negativo para as pessoas com quem nos relacionamos, as quais não estão trancafiadas no escuro armário. Posso atribuir essa afirmação ao universo das transgêneros, que são encaradas, por muitos T-Lovers (homens que gostam de travestis e transexuais), como um objeto sexual.

‘foi no castelo de areia que colhi máscaras d’água, onde a sereia dos meus sonhos, se perdeu em um mar de prantos.’

Um reflexo disso pode ser observado no orkut, onde muitos homens mantém contato com travestis e transexuais através de perfis fakes (falsos), com fotos da genitália, de personalidades e desenhos. Em uma comunidade que aborda tal temática, ‘Jack Power’ afirma: “...existe uma coisa chamada coerção social. Não temos preconceito, acontece que precisamos de nos proteger. Muitos de nós trabalha em instituições que considera isso uma conduta incorreta, de falta de respeito, uma perversão e etc...”.

Agora imagine saber que a pessoa que amamos pensa isso sobre nós. Que a pessoa que amamos tem vergonha que as demais saibam que ela se relaciona conosco. Que a pessoa que amamos não teria coragem de ir até a esquina de mãos dadas. É claro que tal situação não é uma regra, já que inúmeras transgêneros desfrutam de bons e duradouros relacionamentos. Mas, a realidade de muitas travestis e transexuais, que além de sofrerem o abandono da família e amigos, sofrem com a negação parcial de seus amores. Como a travesti Camilla de Castro (foto), que cometeu suicídio após ter seus relacionamentos fechados em diversos e obscuros armários. Nascido Alessandro Kothenborger jogou-se, em 2005, da janela do seu apartamento, no centro de São Paulo, do alto do sétimo andar. Jogou-se nua às 5:30 da manhã.

'...quero um homem de verdade. não quero um homem que me chama de linda entre quatro paredes e depois não tem coragem de comprar pão de mãos dadas comigo. não sou apenas um sonho, um objeto...'

(texto de N. Lucon)


tags:

publicado por star às 09:06 | link do post | comentar

2 comentários:
De Tamara Mayfair a 15 de Julho de 2008 às 12:54
Quando os próprios homossexuais deixarem o preconceito de lado, quem sabe a cena não muda?
Enquanto isso, ficamos com os poucos corajosos que resolvem "sair do armário" e mostrar suas caras sem medo de ser feliz. ;)


De Gospel a 15 de Julho de 2008 às 15:17
No armário se guarda objetos, e a perversidade moral transformou relações belas em objetos substituíveis, enquanto, na verdade, possuem valores inegociáveis!

Infelizmente, essas coisas acontecem por tamanha alienação, inclusive de muitos intelectuais, que não sabem medir a importância do ser. Tudo se compra, tudo se objetifica, tudo vai para o armário!

Pena que o armário não é enfermaria , e não cura cicatrizes, apenas as fazem doer mais, enfim, causa mofo!

Belíssima postagem Mara...

abração


Comentar post

19 de agosto

posts recentes

prince: ícone gay no pass...

recuperado está

o que é: homofobia interi...

j. edgar hoover e clyde t...

trevor project e daniel r...

arquivos

Agosto 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

* cronologia do movimento gay

* retrospectiva 2007

* retrospectiva 2008

a homossexualidade no decorrer da histór

citando

colírio

definindo

depoimentos

direitos e leis

divulgando datas

divulgando eventos

divulgando organizações e ongs

ela e ela

fatos e fotos

feministas

filme e pipoca

homossexuais célebres

livro e abajur

música e sexualidade

musicando estrelas

o que é

poetando

quadrinhos e revistas gays

sombra e luz

sussurros...

vídeos e comerciais

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds