Quinta-feira, 25 de Outubro de 2007
viveram 28 anos juntas

Radclyffe Hall (esquerda) nasceu Marguerite, mas para os íntimos era apenas John. Vestia-se elegantemente, tinha modos aristocratas e comportava-se como uma boa inglesa de linhagem notável. Dizia pertencer ao ramo que descendia de Shakespeare. Além de nome de homem, Hall gostava de vestir-se como um e adorava posar com calça de montaria e cigarro no canto da boca. Ela era acima de tudo uma amante à moda antiga, que acreditava em fidelidade e no casamento. Mas depois de alguns anos casada com a cantora de ópera aposentada Mabel Batten, começou a se envolver com uma mulher chamada Una Troubridge, prima de Mabel. O romance secreto foi ficando cada vez mais quente e Hall, por uma questão de dever, resolveu contar a verdade para sua esposa: havia se apaixonado por Una. Não se sabe se Mabel engasgou, pois estavam jantando, ou se pelo susto levantou-se de repente, teve um ataque e caiu em coma, vítima de um derrame. Mabel morreu alguns dias depois. Hall afundou-se em sentimentos de culpa e não conseguia mais manter relações íntimas e sexuais com Una. Então, foram procurar a espírita Gladys Leonard para contatar a falecida Mabel e tentar explicar para a pobre alma os motivos daquela traição. Para surpresa de ambas, durante a sessão a falecida se manifestou, perdoou as pombinhas e ainda disse a Hall que Una era a melhor esposa que ela poderia desejar para si - já que ela, Mabel estava morta mesmo.

Una Troubridge realmente transformou-se na melhor esposa que Hall poderia desejar: amante, secretária, tradutora, agente, empresária, dona-de-casa e relações públicas numa só pessoa. Com a ajuda de Una, Radclyffe Hall tornou-se, durante a década de 20, uma das escritoras que mais vendiam livros na Inglaterra. Depois, vieram os prêmios e o prestígio. Encorajada pelo seu sucesso e por sua posição privilegiada Hall decidiu então escrever um romance "em defesa das mais mal interpretadas almas do mundo: os invertidos!". Nascia assim "O Poço da Solidão", (sinopse aqui) certamente o romance lésbico mais importante do século. Tudo começou a acontecer muito rapidamente: num espaço de quatro meses o livro foi sucesso de vendas, criou polêmica e virou objeto de um processo legal que agitou a Inglaterra. Trinta anos depois de Oscar Wilde, a homossexualidade virava notícia novamente. Se por um lado a intelectualidade inglesa mobilizava-se em torno da questão da liberdade de expressão, por outro lado nunca a Inglaterra ouviu tanto a palavra "invertido". Em novembro de 1928 "O Poço da Solidão" foi finalmente proibido, acusado de obscenidade. Mas de obsceno o livro não tinha nada. Nem uma só cena de sexo. Era um livro comportado, que pretendia mais esclarecer que escandalizar. Hall queria provar uma tese recente e inovadora, de que a homossexualidade era inata. Portanto, não poderia ser considerada crime ou doença e deveria ser encarada com mais compaixão pela sociedade, cujo dever era acolhê-los e não rechaçá-los. Então, escreveu um romance onde a heroína lésbica acaba jogando a sua amada nos braços de um homem, para poupá-la do escárnio público: um sacrifício por amor bem ao estilo de seus outros romances açucarados que haviam feito tanto sucesso anteriormente. Apesar da proibição, o livro foi contrabandeado como droga afrodisíaca para a Inglaterra e Estados Unidos - onde também sofreu restrições - e virou cult nos países onde circulava livremente. Vendeu nas duas décadas seguintes uma média de 100.000 exemplares ao ano no mundo inteiro e é um fenômeno editorial que continua a ser reeditado e vende bem até hoje - um verdadeiro clássico. Depois do escândalo do julgamento, a carreira de Radclyffe Hall sofreu um baque. Apesar de não ter sido julgada - pois lesbianismo não era considerado crime - ela nunca mais emplacou um sucesso. Hall acreditava que a sociedade inglesa fosse capaz de tolerar e aceitar a homossexualidade. Errou. Era cedo demais. No entanto, conseguiu fazer com que todos falassem do amor que até então não ousava dizer seu nome. Marguerite Radclyffe Hall - John para os íntimos - morreu em 1943, aos 63 anos, de câncer. Ainda estava casada com Una. Mas não viveu para ver seu livro liberado na Inglaterra em 1949.

(fonte MixBrasil)



tags:

publicado por star às 11:09 | link do post | comentar

19 de agosto

posts recentes

prince: ícone gay no pass...

recuperado está

o que é: homofobia interi...

j. edgar hoover e clyde t...

trevor project e daniel r...

arquivos

Agosto 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

* cronologia do movimento gay

* retrospectiva 2007

* retrospectiva 2008

a homossexualidade no decorrer da histór

citando

colírio

definindo

depoimentos

direitos e leis

divulgando datas

divulgando eventos

divulgando organizações e ongs

ela e ela

fatos e fotos

feministas

filme e pipoca

homossexuais célebres

livro e abajur

música e sexualidade

musicando estrelas

o que é

poetando

quadrinhos e revistas gays

sombra e luz

sussurros...

vídeos e comerciais

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds