Quarta-feira, 25 de Julho de 2007
Lésbicas árabes, israelenses e palestinas saem do armário. Alguém pode imaginar o que é ser uma lésbica no Oriente Médio?

Não é só notícia ruim que ouvimos a respeito do Oriente Médio. Em meio a bombardeios e conflitos sociais, onde a mulher é aprisionada apenas ao papel de filha ou mãe, eis que surge uma esperança para as lésbicas que residem neste território graças à ousada luta multilateral de duas mulheres: Rauda Morcos e Samira. Corajosamente ambas criaram a primeira associação para lésbicas da região, a "Aswat", que significa "vozes" em árabe, sob o slogan que deixa claro a que veio "Somos Palestinas, Somos Mulheres e Somos Lésbicas". A sede está localizada em Haifa, ao norte de Israel, e foi criada para unir as lésbicas árabes, israelenses e palestinas e ainda romper o tabu em torno da homossexualidade para convertê-lo em luta política. Tudo começou através de um fórum na internet que elas criaram no final de 2002, para que as árabes israelenses e também as palestinas da Faixa de Gaza e da Cisjordânia pudessem trocar experiências. O sucesso foi tanto que um ano depois elas criaram a Aswat que, hoje em dia, recebe ajuda de ONGs americanas e européias e promove a sensibilização e informação a respeito da diversidade sexual, sobretudo, da lesbiandade. As mulheres do grupo encontram-se uma vez por mês para discutir assuntos de interesse mútuo, planejar eventos e publicações para as lésbicas e confortar àquelas que mais necessitam de ajuda. Outra novidade é que a organização lançará em breve um fórum virtual dedicado a gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros de origem árabe do mundo inteiro. Mas é claro que nem tudo são flores. Em entrevista concedida à AFP, agência mundial de notícias, as fundadoras da Aswat contaram a respeito do desafio que é manter esta associação em uma sociedade patriarcal como a árabe, onde a família é o centro da vida social. "Ninguém pode declarar publicamente sua homossexualidade sem contar com apoio. É preciso ser forte, inclusive economicamente, porque é necessário buscar alternativas ao apoio familiar quando este se perde", explica Rauda. Rauda e Samira sabem que ainda têm um árduo caminho a percorrer e que estão arriscando a própria vida, principalmente em territórios palestinos. Ambas assumem que já sofreram ameaças, entretanto, elas não se deixam abater e avisam que não temem os tradicionalistas islâmicos. "Tentamos fazer nosso trabalho sem lhes dar mais importância que merecem. A sociedade é hipócrita, mas nós repudiamos que este tema fique em segredo. Queremos que seja tratado de forma política e social", afirma Samira. Além disso, ela explica que muitos homens e mulheres homossexuais árabes são casados e têm uma vida dupla porque acredita-se que ser homossexual é proibido pela religião. Desde a fundação, a dupla fundadora da Aswat não pára de receber e-mails e cartas de apoio e solidariedade de todas as partes do mundo. Contudo, elas estão otimistas e acreditam que gradativamente a mulher lésbica conquistará seu espaço. "Não nos iludimos. Sabemos, por exemplo, que não haverá Parada do Orgulho Gay em Gaza, mas pouco a pouco vamos mudar as coisas", finaliza Rauda. Quem quiser conhecer um pouco mais a respeito do trabalho da Aswat, para acompanhar a vida destas mulheres, e conhecer o site da associação que está disponível em inglês ou árabe veja aqui

(font: MixBrasil)

Para quem, como eu, não entende nada de inglês e muito menos de árabe, aí vai uma tradução livre feita pela Patrícia do Movimento de Lésbicas de Campinas (Mo.le.ca.)

“Acredito por vezes que o que é muito importante para mim deve ser falado, tornado verbal e compartilhado, mesmo ao risco de ser ferido ou mal entendido.” (Audre Lorde)

Nós somos mulheres numa sociedade patriarcal onde as vozes das mulheres não são ouvidas. A mulher não possui nada, incluindo si mesma. Tudo é controlado pelas figuras masculinas de suas vidas – seu pai, seu irmão e até mesmo seu tio. Ela está sob constante supervisão de sua sociedade, em sua vizinhança, na rua, na escola, na universidade. Onde quer que ela esteja, haverá alguém a olhando e a julgando. De acordo com a percepção tradicional de nossa sociedade, a mulher representa a honra e a reputação de uma família, um fardo bastante pesado que nós temos que suportar e carregar até o dia de nossa morte. “A reputação de uma mulher é como um espelho, uma vez quebrada, nunca poderá ser reparada”, é uma fala muito comum para todas as mulheres em nossa comunidade, e simboliza o tipo de pressão que a sociedade coloca na mulher. Muitas mulheres são forçadas para fora das escolas quando atingem a maturidade física, sob o medo de que elas podem ser facilmente influenciadas e trazer vergonha para suas famílias. A sociedade vive sob o medo constante da mulher trazer vergonha para si, para suas famílias e para a comunidade. As mulheres, supostamente, não são capazes de tomarem conta de si, elas devem sempre depender de um homem para protegê-las e provir suas necessidades, por serem vulneráveis e fracas: é assim que são tradicionalmente vistas. De acordo com a sociedade, o papel da mulher está limitado a ser mãe, ou filha/irmã, que se tornará mãe quando tiver idade suficiente.

Somos Palestinas vivendo sob a ocupação Israelense. Estivemos sob ocupação desde 1948. Ser Palestina nesse país significa ter controle limitado sobre nossas vidas; tudo está nas mãos dos ocupantes. Nossa liberdade de expressão é limitada por *regras de recolher (*“curfews, closures, checkpoints and the Wall”, cita regras que só as permitem podem ficar nas ruas até determinado horário). Estamos focando todas as nossas energias em sermos capazes de dar *suporte (*no sentido financeiro) a nossas famílias e, na maioria dos casos, em sermos capazes de sobreviver. A situação política se deteriora com o passar do tempo, e os direitos das mulheres são colocados em último plano na agenda social e política. Toda vez que uma mulher tenta falar, ela se depara com reações ferozes de quem está a sua volta.

Somos mulheres gays numa sociedade que não tem misericórdia em relação à diversidade sexual. “Sair do armário” (coming out) não é sequer uma opção porque as consequências podem ser severas. As opções a nós abertas são muito poucas; ou nós vivemos uma vida dupla para sobrevivermos, e ainda mantemos bom relacionamento com nossas famílias, ou nós fugimos e seremos, provavelmente, forçadas a uma vida dura. Nós decidimos que chegou a hora de definirmos as normas de nossa sociedade, e fazermos todos escutarem nossas vozes por mudança.

</span>


publicado por star às 08:27 | link do post | comentar

19 de agosto

posts recentes

prince: ícone gay no pass...

recuperado está

o que é: homofobia interi...

j. edgar hoover e clyde t...

trevor project e daniel r...

arquivos

Agosto 2010

Novembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

tags

* cronologia do movimento gay

* retrospectiva 2007

* retrospectiva 2008

a homossexualidade no decorrer da histór

citando

colírio

definindo

depoimentos

direitos e leis

divulgando datas

divulgando eventos

divulgando organizações e ongs

ela e ela

fatos e fotos

feministas

filme e pipoca

homossexuais célebres

livro e abajur

música e sexualidade

musicando estrelas

o que é

poetando

quadrinhos e revistas gays

sombra e luz

sussurros...

vídeos e comerciais

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds